terça-feira, 1 de março de 2011

Pousar e partir

Pousou, como nunca antes. 
Fincou os pés machucados firmes naquele chão.
Mas chorou, não pôde conter.
O que era o céu caiu para a Terra, e de lá não sairia
Tão cedo, ou jamais.
E o que importa?
Pousou e pousou fundo.
Para assim ser, ficar.
Talvez, quem sabe um dia
Decolar e voar novamente. 

E aí então
Voltar a pousar outra vez.

Partiu. E para voar, precisaria sempre da Terra ser. O céu, assim como a Terra, seus.

Um comentário:

Jefhcardoso disse...

Méle, um pouco de céu, um pouco de terra, um pouco de solidão. Acho que fala de alguém que busca um equilíbrio na vida. Não sei. Apenas achei. Abraço!

“Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso” (Jefhcardoso)

Convido-te para que leia algo e comente no http://jefhcardoso.blogspot.com